7º Encontro do Arranjo Produtivo Local fomenta produção audiovisual na Zona da Mata Pernambucana

Realizado nos dias 13 e 14 de janeiro na Pousada Atapuz – distrito de Goiana, a 7ª edição do Encontro do Arranjo Produtivo Local em Audiovisual contou com a roda de diálogo Zona da Mata e os Desafios Para Produção Audiovisual; o bate-papo Distribuição de curtas-metragens com a produtora cultural e realizadora audiovisual Anna Andrade; sessões especiais Filmes made in Mata Norte e Pesado: Que Som É Esse que Vem de Pernambuco, além do debate sobre a produção feminina no audiovisual.

O primeiro dia do encontro teve início com a roda de diálogo onde foram discutidas questões de avanço da produção da Zona da Mata Norte e Sul de Pernambuco. As recentes produções, ciclos de capacitações, ações cineclubistas, encaminhamentos futuros para o NPED – Núcleo de Produção Engenho Digital, além da fomentação e construção de novos projetos para editais públicos. Foi um momento de compartilhamento de ideias e novas perspectivas para a produção cinematográfica na Zona da Mata pernambucana.

O encontro promoveu também um bate-papo com a produtora e realizadora audiovisual pernambucana Anna Andrade, que trabalha com distribuição de curtas – metragens desde 2015 e que dividiu suas experiências com os participantes. “Percebi que nós, realizadores e produtores independentes, podemos criar mecanismos que possibilitem nossos filmes, muitas vezes realizados também de forma independente, de participar do circuito de festivais no Brasil e em outros países. Além disso, acredito e defendo que a distribuição deve ser feita em várias camadas paralelas, tanto para o circuito de festivais quanto para o circuito cineclubista, ou outro circuito alternativo”, explicou Anna Andrade.

“Foi o primeiro encontro que participei da Mostra Canavial de Cinema. O que me chamou atenção foi a oportunidade de conhecer pessoas de outras regiões além da minha (Zona da Mata Norte), a troca de experiências. Sobre os debates, achei incrível a acessibilidade que o evento permite em estar disponível pra trocar ideias, principalmente pra mim que estou iniciando no audiovisual agora, ter alguém dando as dicas, inclusive projetando a tabela pessoal, fruto de anos de trabalho e ela fornecer pra gente, achei incrível.”, contou Lorieli Queiroz.

Durante 7º Encontro do Arranjo Produtivo Local foram exibidas três sessões especiais: Sessão Especial Filmes made in Mata Norte, Sessão Especial – MAPE e Pesado: Que Som É Esse que Vem de Pernambuco. Da produção da Mata Norte foram exibidos Geisiely com Y, de Mery Lemos e Avesso Reverso, de Daivy Santos. Em seguida, foram exibidos os filmes de produções femininas Mayara está Bem, de Juliana Lima e Mundo Real, Utopia Brasileira de direção coletiva. O longa Pesado: Que Som É Esse que Vem de Pernambuco encerrou a noite de exibição do encontro.

Fechando a programação do 7º Encontro do Arranjo Produtivo Local, um debate sobre a produção feminina no audiovisual discutiu o papel da mulher e seus espaços ocupados no cinema. Formas de trabalho, interações com equipes, produções e trocas de experiências na área audiovisual.